sexta-feira, 1 de outubro de 2010

ASSIM CAMINHA O ENSINO SUPERIOR

Eu sempre critiquei algumas instituições de ensino superior aqui no Brasil por não tratar a educação conforme ela merece e sim como apenas mais um negócio lucrativo, e muito lucrativo. Os exemplos de absurdos, estão aí aos montes e em todos os cursos.
Ontem fiquei sabendo de um fato e hoje tive como comprovar, in loco, o quanto é importante uma faculdade que saiba direcionar o aluno para a melhor forma de exercer a profissão. Eu ainda sou a favor do diploma, mas depois dos fatos que presenciei e fiquei sabendo fica claro o porque o diploma de jornalismo ficou tão banalizado e ridicularizado.
Eu concordo que o jornalismo é uma profissão onde estão misturados talento nato, estudo, dedicação e principalmente a prática. Colocar a mão na massa sempre foi a melhor forma de aprender a cozinhar, ter o contato com os ingredientes, errar na mistura, queimar a massa até achar o ponto certo para o bom prato. No jornalismo é assim também, mas a faculdade é importante para dar uma base teórica concreta e também ensinar os primeiros passos da prática. Vamos ao problema...
Uma instituição de ensino superior (que não vou citar o nome) tem lá o seu curso de jornalismo. Ótimo, mais pessoas em sala de aula se esforçando para elevar o seu intelecto, então chega a hora da aula de telejornalismo. Telejornalismo tem a sua teoria, mas é uma matéria extremamente prática, de colocar a mão na massa, assim como radiojornalismo, fotografia e por aí vai.
Voltando ao exemplo de cozinhar, o que se espera é que a pessoa que vai te ensinar a cozinhar seja um cozinheiro ou pelo menos cozinhe muito bem, mas imagine se esse seu professor nunca cozinhou um miojo na vida, como ele pode te ensinar?
Essa é uma situação que acontece muito pelas salas de aula de todo Brasil. Uma faculdade escolhe um professor de telejornalismo que nunca pisou em uma emissora de televisão, produtora de vídeo ou algo similar. Como assim? Essa é uma matéria que a vivência do professor é fundamental para a linha de ensino a seguir. Como ele pode ensinar a produzir uma reportagem se ele nunca fez? Como ele ensinar a escrever um texto para tv se ele nunca escreveu? Assim não tem como. É o mesmo que você dizer que melancia é uma delícia sem nunca ter provado a fruta ou então dizer que sexo é bom sendo virgem.
Aproveitando minha ira, ontem estive no lançamento do livro Karma Pop, do jornalista Arthur Verissimo e sempre vejo o quanto a experiência, a prática e também algumas horas de sala de aula ajudam a enfrentar certas situações. A arte da paciência, o tom para a entrevista, quem se deve entrevistar e outras tantas coisas. Aproveito também para olhar o que os outros estão fazendo e vi uma cena constrangedora.
Uma colega, visivelmente inexperiente (o que não é nenhum demérito), mas quando você não tem a experiência você tem que se apegar em outros fatores, como conhecer bem a pauta, o entrevistado e saber o que perguntar. A pessoa chega na frente do entrevistado e lê uma pergunta que está escrita no caderninho. O entrevistado responde e a pessoa não prestou a menor atenção no que ele disse, ficam aqueles segundos de silêncio até ela recorrer ao caderninho novamente e ler a próxima pergunta. Outra gafe, o conteúdo da segunda pergunta já havia sido respondido na primeira resposta e ai a entrevista acabou, sem a jornalista saber mais o que perguntar.
Entendo o nervosismo, entendo o estresse, mas isso vai além dessas coisas, se você se propõe a fazer algo, faça aquilo com propriedade. Estude, se prepare o máximo possível, mas certamente esse erro não foi só dela, quem sabe ela não teve um professor que nunca fez uma entrevista na vida. Já vimos que isso não é nada incomum.

4 Comentários:

Ana Magal disse...

Meu amigo... vc mais que ninguém sabe que eu tenho muito mais prática que a teoria, mas não paro de buscar o meu sonho de concluir meu ensino superior. Não para ter um canudo, mas porque quero unir a prática que eu sei... com a base teórica e experiência de outros profissionais que estarão ali me contando como foi o dia a dia deles no batente.

Tive ótimos professores, e ainda tenho, que são publicitários, que ralaram, que correram atrás, que são jornalistas atuantes, documentaristas e por aí vai. Isso que é importante... Ter alguém com exemplo prático para te ensinar.

E sim pessoal!!! Prática é muito importante! Crie um blog, aceita trabalhos colaborativos, mesmo que você não vá ganhar nada... Não importa! Não chegue no mercado de trabalho só com a teoria, tente a prática sozinho, na marra... Não adianta só tirar nota 10 na sala de aula e quando for entrevistar alguém congelar por medo, insegurança ou inexperiência...

Não se tem experiência hoje, quem não quer. A internet está aí para nos ajudar com isso.

Temos que começar a mudar o ensino superior e colocar profissionais atuantes para ministrar aulas. Meu sonho é ter aula com a Rosana Hermann. Imagine como deve ser uma aula com uma mulher com a bagagem como a dela??? Simplesmente surreal!

Não se torne só mais um profissional... Se torne 'o profissional'. Diferencie-se! Se faça presente! Sempre!!! Com canudo ou sem!

Anteninhaaa saudadeeee

Silsan! disse...

É Antena...

Já viu um arquiteto dar aula de direção de arte, querer todos os trabalhos feitos no Photoshop e não saber nem como abrir o programa?

E um professor de multimídia que traz um livro de folhetos de 1930, explica o que são números binários, e como um servidor, um modem e linha telefônica funcionam?

O ensino superior nos dias de hoje visa lucro, dinheiro no bolso daqueles que estão por trás das faculdades.

Grande abraço

Ana Beatriz Camargo disse...

Taí um dos posts que eu mais gosto de ler aqui no Mural: posts que discutem o jornalismo e seus arredores.

Então, concordo bastante com o que você falou. Hoje mesmo passaram uns alunos mais representativos da PUC na minha sala contando que como há poucos professores disponíveis, muitas vezes, professores que nem manjam do assunto são remanejados para ensinar o que não sabem.

O nome disso é quadro deficiente e má gestão, só pode. Como o pessoalzinho da PUC brada nas reuniões com o reitor e representantes da Fundação São Paulo: "Eu pago, não deveria. Educação não é mercadoria!".

Bia disse...

Concordo contigo! Pior é que tem uma faceta desse jornalismo de quintal, que infelizmente parece que o povão adora, que é aquele do drama, do fazer sofrer o entrevistado só pra lhe arrancar lágrimas! Daquele que o jornalista pergunta para a mãe que perdeu um filho, o que ela está sentido. Oras! Merecia uma resposta do tipo: WTF? Não é?

Bjs

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante e será liberado após moderação do autor deste blog.

O Mural está aqui

Prêmios

Contadores

free counters

Visitantes

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO