sábado, 31 de julho de 2010

LOGIN - TV CULTURA

Sempre gostei da madrugada, acho que é um momento onde consigo fazer as coisas com calma, principalmente escrever e ver televisão. Aproveito para atualizar algumas coisas, assistir algumas séries, pesquisar alguns sites.
Há algumas semanas comecei a assistir por acaso uma reprise de um programa da Tv Cultura, o Login. Já tinham me falado desse programa, nunca tinha acompanhado, mas sempre me falaram bem dele.
O Login é um programa que trata basicamente de tecnologia e a nossa relação com ela, principalmente a relação dos jovens. Mas não faz isso de forma massante e chata, pelo contrário, traz musicais, entrevistas interessantes, reportagens bem feitas e de forma descontraída.
É apresentado por Fábio Azevedo e pela bela Roberta Youssef , com reportagens da também bela Gabi França e do Rodolfo Rodrigues. Eles mandam bem, estão entrosados, levam o programa de forma bem natural. O programa passa às 19 horas, mas eu vejo a reprise, não sei se o horário original do programa é adequado, mas sei que na madrugada vai muito bem.
Eles conseguiram chegar numa fórmula interessante de interatividade utilizando as redes sociais, fazem bons debates, abordam bons temas. Resumindo um programa muito interessante e que merece destaque. É bom ver coisas bem feitas e de qualidade no ar. Abaixo um trecho do programa.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

BRINQUEDINHO NOVO

Tudo o que é novo é diferente, nos deixa apreensivos, curiosos e loucos de vontade de conhecer. Eu sou um apaixonado por tecnologia, aparelhos e traquitanas principalmente ligadas a vídeo, áudio, televisão...
Há 1 ano conheci a câmera Flip e fiquei muito empolgado com um aparelho tão pequeno e com tanta qualidade de imagem e áudio. A tecnologia tem avançado tanto que é possível gravar em alta definição com um aparelho menor e mais leve que um celular.
Comecei a trabalhar com esse equipamento, que tem suas debilidades também, como qualquer coisa. Claro que uma câmera profissional, cheia de recursos, lentes, filtros, ajustes, controles é capaz e mais adequada para se produzir um vídeo de alta qualidade, principalmente para televisão. Mas essas câmeras de bolso, quando bem utilizadas produzem ótimos materiais e por isso fiquei empolgado.
Hoje troquei de equipamento, a câmera que já era boa foi substituída por um modelo superior, agora da kodak. A câmera Zi8 grava em full hd, com bons recursos e muito melhor para desenvolver bons vídeos. Fiquei "brincando" com ela hoje para descobrir suas funções, qualidades e debilidades. A primeira impressão foi ótima e acho que volume dar muito bem com esse novo brinquedinho.
Lembrei de quando era criança e ganhava um presente. Você olha a caixa, fica tentando descobrir o que faz cada coisa até se acostumar e querer um brinquedo novo. Por enquanto estou feliz com este, mas sei que novas tecnologias estão chegando e em breve terei um novo brinquedo como sonho de consumo.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

O PODER COLETIVO

Já dizia aquele ditado que "uma andorinha não faz verão". O poder coletivo é inestimável, já que juntos podemos conseguir grandes coisas, mas para isso o coletivo não deve ser apenas um amontoado de pessoas, é preciso mais, é preciso que elas caminhem na mesma direção.
Hoje fiquei conhecendo uma nova forma de benefícios que está chegando em São Paulo. O coletivo, a ação conjunta das pessoas será fundamental para que todos saiam ganhando. Trata-se do CityBest, um site que trabalha com o poder de compra das pessoas. Vou explicar.
O conceito de "compras coletivas" é recente no mundo e é bem sucedido em muitos países. O website já opera em Belo Horizonte e em Brasília com muito sucesso. O mecanismo é bem simples e benéfico tanto para clientes quanto para as empresas.
Como isso funciona? Simples. Existe uma determinada oferta, como a que está inaugurando o website aqui em São Paulo, de 3 peças do festival de teatro aqui da cidade por apenas R$ 32, um desconto de 64%. Para esse desconto ser "ativado" é necessário um mínimo de clientes que comprem os cupons desta promoção. Se o número mínimo for atingido o desconto está valendo e você poderá assistir 3 boas peças por um valor muito baixo. Sem essa promoção você pagaria R$ 90 para assistir os 3 espetáculos. Muito bom.
Isso não vai ficar restrito só ao teatro, vale para muitas coisas, restaurantes, salão de beleza, centros automotivos, bares e por ai vai. Basta você entrar no site do CityBest e se cadastrar para conhecer as ofertas.
Acho a ideia bem interessante e estão começando com o pé direito aqui em São Paulo, já que escolheram o Festival de Teatro. Eu já fiz o meu cadastro e quem costuma frequentar muito esse tipo de evento e local sabe o quanto é importante um bom desconto. Vantagens conseguidas graças a mobilização coletiva.
Em tempo, o Festival de Teatro da Cidade de São Paulo acontece no Teatro Bibi Ferreira. Mais informações é só clicar aqui.

terça-feira, 27 de julho de 2010

FOMOS SURPREENDIDOS NOVAMENTE

Eu disse recentemente em um post aqui do blog que gostava de ser surpreendido por algumas coisas, já que a surpresa causa sentimentos inesperados e interessantes.
Mas fiquei pensando sobre o que nos surpreende hoje. O que acontece em um contexto global que nos faça refletir, que nos assuste, que nos emocione... O mundo está de cabeça para baixo e por isso muita coisa não é surpresa, já estamos calejados para algumas coisas que acontecem.
Hoje fica difícil duvidar das coisas, já que tudo parece possível. De crimes bárbaros a atitudes esportivas tudo tem ficado comum.
Vamos aos exemplos. O caso da advogada Mércia e o da ex-amante do goleiro Bruno chamaram muita atenção, mas é estranho ver detalhes desses casos expostos como se fossem o resultado de um jogo de futebol em qualquer horário para qualquer público. Não vou entrar aqui na questão de programas de televisão e da exposição desse tipo de notícia. O que quero dizer é que falar que um corpo foi jogado para cachorros comerem ou que um carro foi jogado no lago e a pessoa morreu afogada é dito de forma muito natural.
Mudando da página policial para o caderno de esportes. Felipe Massa, em uma atitude de segundo piloto, obedeceu ordem da equipe e deixou Fernando Alonso vencer a prova. Confesso que não fiquei surpreso com a ordem, fiquei surpreso com quem cumpriu a ordem e sempre se disse contrário a essas coisas. A política da Ferrari sempre foi essa, Barrichello que nos diga, mas Massa frustrou torcedores que ainda acreditam que a Fórmula 1 é mais esporte do que negócio.
E a televisão, essa sempre nos prega surpresas e nos faz debater diversos assuntos. No vídeo que segue uma apresentadora da tv espanhola resolveu dar uma aula de beijo ao vivo. A moça beija bem, mas se isso fosse aqui no Brasil ia dar muito o que falar. Veja o vídeo.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

VOCÊ SE ALIMENTA BEM?

Você se alimenta bem? é uma pergunta que na grande maioria dos casos sabemos qual será a resposta: Não. No mundo corrido, cheio de compromissos, onde a agilidade fala mais alto fica difícil fazer uma refeição adequada, com o tempo necessário e com alimentos de qualidade.
Eu sou um ótimo exemplo de como você não deve se alimentar. Por dois motivos eu cometo os pecados que deixam nutricionistas, dermatologistas e outros "istas" mais de cabelo em pé. Tenho minhas manias, como todo mundo tem.
Uma delas é comer bastante de madrugada. Como normalmente fico acordado até mais tarde, como agora por exemplo, acabo ficando com fome e ataco a geladeira. Dificilmente escolho uma fruta para comer, sempre vou para a parte obscura da geladeira, para o beco cometer meu crime nutricional. Salame, refrigerante, salsicha, o que tiver na frente eu como. Isso quando a fome não é maior e chego a fazer hamburguer.
Sim, pode me criticar, eu sei que é errado. A péssima alimentação, durante o dia é ainda pior, neste caso culpo o tempo, mas o culpado sou eu mesmo. Fast food sempre salvam a vida na correria, mas na verdade eles estão encurtando ela.
Essa semana me alimentei muito mal, muitas pautas no memso dia, pouco tempo para respirar e a alimentação é a primeira a sofrer. Agora coloquei uma meta e pretendo me alimentar melhor. Vamos ver se consigo. E você, como tem se alimentado?

sábado, 24 de julho de 2010

BARRIGA JORNALÍSTICA

De volta depois de uma tempestade de gravações. Nos últimos três dias fiz muitas pautas, principalmente para o esporte que vive um momento agitado por causa da escolha do novo técnico da seleção. É sobre essa escolha e o trabalho da imprensa que vou falar agora.
Barriga é um jargão jornalístico para as bobeadas profissionais e erros cometidos pela imprensa. Nos últimos dias uma grande barriga acertou em cheio os meios de comunicação. Tudo começou com a queda do treinador Dunga com a derrota na Copa. Começaram então as previsões e projeções de quem seria o próximo comandante da Seleção Brasileira. Até ai tudo bem, enquetes feitas, torcedores com suas escolhas, os jornalistas com suas análises e assim foi passando o tempo.
O nome preferido era Felipão, mas ele resolveu manter seu acordo com o Palmeiras, então todos os olhos se voltaram para Muricy Ramalho e Mano Menezes. Nos últimos dias o nome de Mano ganhou força, todos davam como certa a ida do treinador do Corinthians para a seleção.
Sem mais nem menos, na manhã de sexta-feira, Ricardo Teixeira chamou Muricy para uma conversa e para o convite formal para treinar o time. Os jornais, revistas, sites e a televisão estamparam Muricy como novo técnico da seleção. Contaram a tragetória dele, os números da carreira, sua fama de bravo. Todo mundo bancou o técnico do Fluminense como novo treinador.
Mas... olha o mas ai... Não havia confirmação oficial, só havia o convite oficial. Então todos colocaram a carroça na frente dos burros e oficializaram algo que ainda não existia.
Eu fui escalado para ir ao Palmeiras e repercutir com o Felipão e marcos a chegada do novo técnico no time brasileiro. Lá foi uma confusão danada porque as informações que chegavam eram desencontradas e o coro de jornalistas dizia: "Muricy nunca vai negar esse convite". Negou e todo mundo se ferrou: a CBF e nós jornalistas.
Um novo convite foi feito, agora para Mano Menezes. A imprensa foi mais cautelosa, retardou ao máximo a informação. Poucos cometeram o mesmo erro e já estampavam nas manchetes Mano como novo técnico. Mas foi com a coletiva e a palavra oficial do ex-técnico do Corinthians que todos puderam publicar tranqüilamente quem vai realmente assumir a seleção verde e amarela.
Esse erro pode não trazer consequências diretas para a sociedade, mas esses fatos sempre fazem lembrar outros tantos que a imprensa se apressou em publicar suposições, teorias, ideias e o fato concreto era completamente diferente e com graves problemas para as pessoas envolvidas.
Só para colocar mais uma questão ai. Imagine se a Elisa Samudio, ex-amante do goleiro Bruno, aparece viva mesmo. Imagino que muita gente por ai agora esteja torcendo para ela estar morta. Eu já não duvido de mais nada.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

MANUAL DO SER HUMANO

Que o ser humano é muito complexo todo mundo já está careca de saber, eu que o diga. Mas as vezes fico sem entender algumas pessoas. Nós, no coletivo, somos complexos por natureza já que duas coisas juntas ou mais por si só já formam uma estrutura diferente e cheia de trilhas.
Mas nós, indivíduos, seres independentes, somos mais complexos ainda. Cada pessoa tem a sua identificação, as suas características, seus gostos e tudo que cerca a nossa vida aqui neste planeta.
Alguns indivíduos dessa espécie são um caso a parte. Juro que tento entender algumas pessoas mas não consigo. Fico pensando se todos nós, ao nascer, viéssemos com um manual de utilização, uma cartilha mostrando todas as complexidades do sistema.
Então, quando você conhecesse uma pessoa seria mais simples, era só fazer um download (para ser mais moderno) do manual da pessoa e então os atalhos todos estariam ali e isso nos facilitaria muito a vida.
Antes que pensem, essa minha divagação sobre nós, complexos humanos, não tem nada a ver com amor, apesar de se aplicar também neste outro "arquivo" do nosso sistema. Mas é um pensamento geral, porque todos os dias conhecemos pessoas novas, lidamos com as antigas e tem horas que parece que precisa formatar a "máquina' e começar tudo do zero.
E olha que sou calmo, paciente, escuto as pessoas, sou meio como o Hurley do seriado Lost, me dou bem com todo mundo. Mas tem horas que o sangue sobre e tenho tanta vontade de agir como o Dr. House.
Bom, um desabafo noturno. Pode não parecer, mas o dia hoje foi muito bom, apenas queria tentar entender mais as pessoas.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

INSPETOR BUGIGANGA

Você já viu aquele desenho ou o filme do Inspetor Bugiganga? Na verdade eu prefiro o desenho, acho mais divertido e tem o espírito da coisa.
Pois bem, eu ando me sentindo o inspetor bugiganga. Toda vez que eu saio de casa carrego nos bolsos e na mochila uma quantidade de aparelhos e coisas que vão me auxiliar em todo tipo de situação.
Ano passado, durante uma palestra que eu gravava o palestrante estava falando sobre a tecnologia, que ela estava em nosso alcance e me usou de exemplo. Como ele já me conhecia pediu para que eu tirasse tudo o que eu tinha no bolso. Putz, foi cômica a situação, eu não parava de tirar coisas do bolso. Dos quatro bolsos da calça jeans saíram: celular, nextel, bala, câmera filmadora, chaves, carteira e cartões. Se formos analisar os aparelhos, cada um com mais de uma função.
Lembro disso toda vez que estou me arrumando para ir trabalhar ou até mesmo ao cinema. Virou um ritual arrumar as bugigangas que carrego e elas tem lugar certo. Como uma arma na cintura do policial, ele sabe que ela estará sempre ali para qualquer emergência.
E a mochila? Essa também sempre carregada, é netbook, máquina fotográfica, microfone, livro, guarda-chuva, cabos dos aparelhos, outra câmera, canetas, papéis, revistas... e dependendo da situação outras coisas entram.
As vezes, quando saio na porta do prédio fico com vontade de dizer "pernas entrem em ação", ou "hélices ativar". Mas sei que tem gente pior, aliás, as mulheres carregam a vida na bolsa. E você, carrega muita coisa por ai?

terça-feira, 20 de julho de 2010

O DIA DO AMIGO

Hoje é o dia do amigo, desde a madrugada, antes de ir dormir, fiquei pensando aqui nas minhas relações de amizade desde os tempos mais remotos. Não sei se já contei aqui, mas meu circulo de amizades é muito mais receado de mulheres do que de homens, e isso tem uma explicação.
Quando entrei no antigo colegial fiz a opção de estudar o técnico de Tradutor e Intérprete, já que as outras duas opções eram Magistério e Análises Químicas. Fui para o caminho natural de quem queria a área de Humanas. Logo neste primeiro ano minha classe tinha 20 mulheres e 2 homens, eu e meu amigo de infância Thiago.
No começo fiquei meio incomodado já que tive que abrir mão de aula de educação física e muitas vezes os assuntos não batiam. Mas fui me acostumando, meu amigo desistiu no meio do ano e lá fiquei eu, uma ilha em meio aquele oceano feminino.
Fui aprendendo a lidar com as situações, com as brincadeiras das outras turmas e isso me ajudou muito a conhecer mais profundamente as mulheres. Essa situação se repetiu nos anos seguintes até minha formatura. Assim continuou também na faculdade e nos trabalhos que fiz a maioria sempre foi de mulheres.
Eu sou muito complicado com amizade, sou daqueles que se de cara algo me incomoda dificilmente eu baixo a guarda e deixo a pessoa fazer parte do meu circulo de convivência. Mas também sou de sorriso aberto e receptivo a conhecer novas pessoas.
Por isso tenho muitos amigos, muitos mesmo. Alguns estão longe, converso raramente, outros estão próximos, falo com certa freqüência. Assim vai, o importante é saber que eles existem.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

O TEMPO PASSA PARA TODOS

O tempo passa para todo mundo, isso é inevitável. Por mais que façamos tentativas para evitar os efeitos do tempo ele sempre aparece e vai deixando evidente que a contagem regressiva da nossa vida não tem botão de parada.
Os sinais são claros, é o cabelo que vai embora, são as dores que chegam, as rugas aparecem, a visão vai falhando, a audição sumindo e por ai vai. Vamos ficando menos tolerantes com algumas coisas e mais com outras.
Nesses quase 11 anos de televisão já gravei muita reportagem sobre processos, produtos ou coisas mirabolantes que ajudam no rejuvenescimento. Tem cada bobagem que até da medo. Dietas malucas, alimentos mágicos, cremes malucos. Tem muita gente que para ganhar dinheiro se aproveita da inocência das pessoas e inventa cada coisa.
Há alguns dias estava conversando com uns amigos sobre idade e acabamos falando sobre os super-heróis que são "imortais" a idade nunca chega para eles. Ficamos pensando sobre como os roteiristas trabalhariam com essa hipótese do envelhecimento.
Hoje recebi um e-mail com alguns personagens que estão em idade avançada, mas continuam sempre jovens nas telas e brincadeiras. Mas como eles estariam com o passar da idade? O resultado é este:


domingo, 18 de julho de 2010

A PAUTA CAIU

Domingo já é um dia que bate aquela preguiça, aquela sensação estranha de que a segunda-feira está logo ali e a rotina frenética da semana vai começar novamente. Eu nunca gostei muito de domingo por isso. Sempre fico desanimado para fazer as coisas e se o tempo estiver como esteve essa semana pior ainda: frio, chuvoso e escuro.
Pior do que toda essa preguiça que surge a cada domingo é ter a notícia que você vai ter que trabalhar. Deixar sua casa, enfrentar transporte público, ter que pensar na gravação e tudo mais.
Este domingo foi assim. No sábado a noite recebi a missão de ter que gravar na peça Aladdin que iria ser apresentada neste domingo lá no Credicard Hall. Aceitei a pauta porque gosto desse tipo de gravação. E estava afim também de curtir o espetáculo.
Mas... olha o mas ai novamente. Saí mais cedo de um churrasco, tomei outro banho, separei o equipamento, coloquei minha roupa de frio e parti para o outro lado da cidade. Domingo tudo é mais lento, principalmente metrô e ônibus. Depois de 1 hora cheguei no local da gravação.
Percebi um movimento estranho nas bilheterias, crianças reclamando, outras chorando, pais sem saber o que fazer, um certo clima de revolta. Algo estava errado por ali e então saquei meu celular e liguei para a assessora da peça.
A notícia: a peça foi adiada. Um problema de agenda impossibilitou aos atores ensaiarem no cenário gigantesco da peça e então foi decidido adiar para o próximo final de semana a apresentação.
Como não fui avisado pela produção perdi tempo e a chance de ficar nesse domingo chato deitado no sofá, com meus cobertores e comendo pipoca. Mas tudo bem, não é a primeira vez que isso me acontece. Em 11 anos de televisão já vi muita pauta cair quase que na "minha cabeça".
O mais curioso de tudo isso foi ver uma mãe explicando para a filha pequena que estava querendo ver a peça de qualquer jeito. Ela disse para a filha que a peça foi adiada porque tinha uma chance grande de pegar fogo no cenário e que todo mundo poderia morrer queimado, por isso foi adiada, para que ninguem se machucasse.
Confesso que se estivesse no lugar daquela criança não ia querer voltar lá nem de graça.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

TRABALHAR NAS ELEIÇÕES

O que eu temia aconteceu, chegou uma carta da Justiça Eleitoral me convocando para ser mesário nas eleições em outubro. Era tudo o que eu não queria já que eu gosto de trabalhar nesta data, mas do outro lado, mostrando os candidatos, a movimentação.
Terei que comparecer no local para uma reunião na próxima quinta-feira e ver o que me espera. Lembro que meu pai trabalhou alguns anos quando eu era criança e ele sempre me levava. Há alguns anos minha irmã foi convocada e trabalhou em apenas uma eleição. Eu desconfia que minha hora estava chegando e vou explicar porque.
Nas eleições para prefeito em 2008 fui tranqüilamente votar em uma manhã de domingo. Antes de registrar meu voto, uma vizinha que trabalha na sessão onde eu voto disse que eu teria que preencher uma ficha com a atualização dos meus dados. Querendo me livrar logo daquilo e ir pra casa preenchi a ficha, votei e fui embora. Enquanto saia da sessão notei um sorriso sarcástico de canto de boca dela. Na hora imaginei que algo errado poderia acontecer.
Quando cheguei em casa contei para minha irmã o que tinha acontecido e ela sentenciou: você será convocado. Putz... Sorte da minha vizinha que eu não sou o goleiro Bruno. Fiquei com uma raiva do diabo. Mas minha irmã disse que eles eram obrigados a escolher algumas pessoas para preencher a ficha. Quase que uma carta aberta de "eu quero trabalhar nas próximas eleições".
O tempo passou, eu esqueci deste detalhe até chegar a maldita carta. Nada contra trabalhar nas eleições, mas profissionalmente é ruim pra mim, eu perco dinheiro e ainda terei que mudar meus planos de pautas programadas. Claro que vou apelar, ver se tem como mudar isso, mas já estou pensando no pior e ficar ouvindo durante o dia todo aquele barulhinho chato de confirmação do voto.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

SLAVA'S SNOWSHOW - VIDEORREPORTAGEM

Gosto de ser surpreendido porque a surpresa traz um tempero extra para dias que tendem a ficar na monotonia e na rotina. Esta quarta-feira que passou foi assim.
Apesar de não gostar de chuva e frio, o dia estava horrível, mesmo assim bem diferente das últimas semanas secas e quentes em São Paulo. Assim que acordei vi que a coisa ia ser diferente mesmo, mudei um pouco os planos para sair mais cedo para uma gravação e depois ainda partir para uma integração lá na RedeTV.
Cheguei no local para gravar com o Slava's SnowShow, um grupo de palhaços russos que se apresenta em São Paulo. Não conhecia o trabalho deles, apenas por algumas coisas que pesquisei antes de partir para a gravação, mas então veio a boa surpresa do dia e fiquei completamente emocionado com os trechos do espetáculo que gravei lá no Citibank Hall.
Uma mistura de fumaça, neve, frio, bolhas, vento e muita sensibilidade e bom humor. O grupo consegue fazer de pequenos e marcantes gestos cenas tocantes e divertidas. Vale muito a pena assistir o espetáculo.
O Slava's SnowShow fica em São Paulo até o dia 29 de julho, em agosto faz apresentações no Rio de Janeiro e em Porto Alegre. Fiquem com um trecho do show na videorreportagem.

terça-feira, 13 de julho de 2010

O MUNDO CÃO

Eu bem que adiei o assunto, mas era inevitável falar sobre o caso da morte da Elisa Samudio. Desde quando começaram a surgir as primeiras notícias o caso demonstrava ser algo que iria chocar as pessoas.
Uma mistura explosiva e que desta vez causou um grande estardalhaço. Uma moça bonita com a vontade de se tornar famosa e bem sucedida financeiramente, um jogador rico e sem preparo psicológico, péssimas influências tanto na família quanto de amigos. Tudo isso junto resultou em um crime bárbaro, com requintes de crueldade e atitudes de psicopatas.
Não estou aqui para julgar ninguem, nem a moça, nem o jogador e nem quem está envolvido. Mas tudo está errado. A moça sabia que estava pisando em um terreno perigoso, o jogador tinha uma carreira promissora e preferiu seguir o caminho mais tortuoso, os familiares (a maioria com antecedentes no mínimo estranhos) estão agindo e os amigos envolvidos colocaram em prática toda crueldade possível.
A cada dia os jornais trazem detalhes ainda mais tristes e terríveis. Ainda não encontraram o corpo da Elisa e pelo que tudo indica não vão encontrar mesmo. Segundo o adolescente que fez a denúncia o corpo da moça foi esquartejado e pelo menos a mão jogada para que os cães comessem.
Fico pensando qual é o fundo do poço. A cada dia que passa, quando achamos que nada mais vai surpreender a gente, aparece um fato que nos faz perder o senso de realidade. Qual será a próxima notícia?

segunda-feira, 12 de julho de 2010

O BEM AMADO

Quando há algum tempo vi o trailer antes de assistir um filme qualquer no cinema fiquei com uma sensação de saudosismo. O Bem Amado é uma história antiga, do autor Dias Gomes, que originalmente feita para o teatro ganhou a televisão e agora o cinema.
Achei sensacional colocar na telona a vida de tantos personagens memoráveis como Odorico Paraguaçu, Dirceu Borboleta e as irmãs Cajazeiras. Então vem a razão pelo meu saudosismo diante do trailer no cinema: a obra fez parte de um momento muito especial da minha vida.
Era 1999 e eu já tinha participado de algumas peças de teatro no Colégio de Santa Inês, onde passei toda minha infância e adolescência. Estava no último ano do colegial e estava ansioso com a aproximação dos vestibulares. A carreira escolhida era o jornalismo, não foi uma escolha, foi uma confirmação. Entre provas, trabalhos foi proposto para nosso grupo de teatro uma participação em um grande festival de teatro amador.
Muito se discutiu e então houve a escolha para fazer a montagem da peça de Dias Gomes, O Bem Amado. Tudo muito interessante e bonito na teoria, mas na prática seria uma luta conta o tempo e contra a falta de estrutura, além de um texto longo e complexo.
Iriam acontecer testes para os personagens em agosto daquele ano e a peça seria apresentada no final de outubro. Eram apenas dois meses de ensaios. Eu ainda não tinha feito um grande papel nos anos anteriores. No começo era a inibição que me afastava do desafio e depois foi não me adequar tanto aos papeis. Mas este eu tinha certeza que queria fazer, gostaria muito de interpretar o prefeito de oratória rebuscada e cheia de rococós de Odorico Paraguaçu.
Nas férias de julho peguei uma cópia do texto com a professora Manuela, que coordenava os trabalhos. Disse que gostaria muito de fazer o papel e sabia que conseguiria. O desafio era imenso já que eram mais de 360 falas, grande parte delas discursos políticos rebuscados e irônicos.
Em agosto, quando foi feita a seleção eu era o único homem que disputava a vaga do personagem principal e depois da "audição" fiquei com o papel. Para minha sorte, neste mesmo dia eu já tinha 90% do texto decorado.
Ensaiamos muito nos dois meses que seguiram e foi muito divertido, pois o texto é sensacional. Em outubro fomos para o festival com a certeza que iríamos apenas participar, já que outros grupos tinham muito mais tempo, experiência e estrutura. A apresentação foi ótima e os jurados (especialistas da área) me indicaram ao prêmio de melhor ator. Não ganhei, mas foi muito bom ver que fiz um bom trabalho.
Apresentamos a peça várias vezes sempre com o teatro lotado e com risadas garantidas. Depois disso passei no vestibular, deixei o teatro de lado e fui me dedicar ao jornalismo. Eis então a razão do saudosismo ao assistir um trailer antes de uma sessão de cinema. Por falar em trailer olha ele ai.

domingo, 11 de julho de 2010

ESPANHA CAMPEÃ E O BRASIL 2014

Junto com a final da Copa na África do Sul acaba também a minha gripe que não durou um mês como o mundial, mas me deixou 4 dias em uma disputa acirrada contra o vírus. Tive ajuda da laranja, não a vice-campeã Holanda, mas daquela que vem com muita vitamina C.
A Espanha foi a grande campeã em um jogo truncado, violento, muito bom para o Felipe Melo jogar. Os dois times perderam gols feitos e que poderiam ter decidido antes o grande campeão, mas esporte é assim, não tem "se" e portanto a "Fúria" espanhola é mais uma seleção que integra o time dos vencedores de Copa do Mundo.
Falei muito pouco da Copa aqui no blog porque não queria dar minha dose nessa overdose de futebol durante o último mês. Assisti muitos jogos, a maioria bem fraco, outros interessantes mas esse mundial foi marcado por jogos sem muita criatividade, faltosos e com grandes erros de arbitragem.
Quanto a África do Sul acho que o país organizou muito bem o evento e no saldo final deve ter mais ganhos do que prejuízos. Espero que o povo daquele país ganhe com o que aconteceu por lá e que os problemas que ainda exitem sejam amenizados.
E o Brasil? No futebol decepcionou bastante, era previsível, com todo cenário formado por um comando incompetente (começando pelo Ricardo Teixeira) estava claro que nosso time não ia chegar muito longe. Kaka antes de ser convocado disse que estava recuperado e só precisava ganhar ritmo, depois da derrota disse que jogou no sacrifício, ele poderia ter sido honesto. Robinho, nada. Felipe Melo, a bomba que explodiu. Dunga, o burro teimoso que explodiu.
E Brasil? Agora é esperar 2014 e torcer para que a Copa traga muita coisa boa para o país, principalmente em questões sociais. Nem vou falar quanto ao Hexa porque até lá muita água vai rolar e fica difícil dizer em qual situação estaremos.
Com o fim da Copa do Mundo um personagem se destacou e vai ficar marcado como o grande nome desse mundial. Acertou tudo, chamou a atenção da mídia mesmo trancado dentro de um aquário na Alemanha. O Polvo roubou a cena e fez previsões corretas quanto ao resultado dos jogos. Quanto tempo será que ele dura até ser servido em uma paella?
Segue o vídeo com o logotipo oficial da Copa de 2014 aqui no Brasil.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

FORA DO AR

Bom leitores, ainda estou preso por uma forte gripe que está me deixando praticamente grudado na cama. Sai rapidamente nesta sexta-feira a noite para fazer minhas "compras" na Sample Central. Na verdade é a segunda, já que na pré-inauguração, quando gravei a videorreportagem também levei produtos para casa, continuo recomendando.
Como estou sem muita cabeça para escrever vou fazer algo que nunca fiz aqui no blog. Vou disponibilizar uma matéria minha que foi ao ar na RedeTV!. O assunto até abordei aqui no blog há poucos dias, a Francal 2010. Fiz uma matéria simples, sem narração, apenas costurando as imagens com as entrevistas. A edição foi da emissora, gostei...
Espero volta com a minha programação norma amanhã! Agora é cama, chá, remédio e uma bela mulher ao meu lado. Ops, a bela mulher foi delírio da febre... que pena!!! (quanta besteira...).
Segue a matéria, para quem já viu as fotos e o texto que escrevi mais uma oportunidade para conferir o que rolou na feira.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

GRIPE E POLÊMICAS

A mistura de gripe, horas de reuniões e assuntos polêmicos para debater não é interessante. Fui surpreendido por uma gripe que está me derrubando hoje, odeio ficar assim, não consigo raciocinar direito, não dá pra presar atenção nas coisas e muito menos raciocinar para escrever aqui.
Boas reuniões hoje, vários assuntos adiantados e em breve venho com algumas novidades!!
O assunto que gostaria de escrever aqui, o caso do goleiro do Flamengo Bruno vai ficar para amanhã, preciso estar com a cabeça atenta para não escrever bobagens e poder concatenar as idéias, mas fato é que essa história toda é chocante.
Amanhã devo melhorar e escrevo com calma.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

FRANCAL 2010

Estou aqui entre uma gravação e outra, portanto vou aproveitar e escrever sobre a Francal 2010 (Feira Internacional da Moda em Calçados e Assessórios) que este ano está na sua 42ª edição. É um grande evento, muitos lojistas, industrias, marcas e sim, mulheres enlouquecidas diante das vitrines com as mais diferentes novidades.

Esta é a primeira vez que faço a cobertura jornalística deste evento, portanto tudo acaba sendo uma novidade nas primeiras horas, mas logo nos acostumamos e entramos no clima. Basicamente os eventos, para a imprensa, são parecidos e tem uma dinâmica pré-estabelecida. Por isso logo nos ambientamos, encontramos colegas e tudo vira uma grande festa.
Nestes dois dias de cobertura fiz inúmeras fotos e vídeos de sapatos, bolsas, mochilas, assessórios... Tem muita coisa mesmo, não dá para enumerar a quantidade de novidades que tem por aqui.
O que mais me chamou a atenção foi o cuidado com o meio ambiente. Sandálias feitas com pneus usados, bolsas feitas com lonas de caminhão e até roupas que podem ser recicladas.
Por aqui passaram muitas personalidades e celebridades. Na abertura do evento veio o candidato à presidência pelo PSDB José Serra, hoje esteve a candidata do PV Marina Silva. Mas as celebridades chamaram mais atenção. Ana Hickman, Luciana Gimenes e Grazi Massafera lançaram produtos com seus nomes.

Abaixo algumas fotos da Francal 2010.





terça-feira, 6 de julho de 2010

AS COELHINHAS DA PLAYBOY

Engraçado como as coisas acontecem na vida da gente. Quando eu era adolescente comprava a revista Playboy, achava aquelas mulheres o máximo, sonhava com muitas delas, conversava com amigos sobre essa ou aquela, coisa normal de adolescente.
Elas sempre representavam o inatingível, o Olimpo das fantasias sexuais, tecnicamente elas não existiam, eram mulheres que estavam ali, nuas, sensuais e impossíveis. Existia um abismo entre elas e nós pobres adolescentes mortais.
O tempo passa e a vida nos ensina muita coisa, coloca a gente em caminhos interessantes e sempre surpreendentes. Surpreendem positivamente e negativamente, e vou começar com a minha primeira decepção (no assunto playboy).
Conheci pessoalmente a Luiza Ambiel, isso em 2001 (putz, faz tempo). Eu tinha a Playboy dela e confesso que não era a minha preferida, achei bem fraquinha pra ser sincero, mas era uma playboy, era uma mulher cobiçada. Pessoalmente ela é simpática, com presença, tem um voz interessante, mas me senti enganado.
No mesmo ano tive oportunidade de conhecer a redação da revista lá no prédio da Abril. Conheci alguns profissionais e estava lá para entrevistas o Fernando de Barros, que assinava a sessão de moda da revista. Infelizmente o Fernando já faleceu, mas foi um prazer entrevista-lo, grandes histórias que ele contou. Esse fato me faz abrir um parênteses e dizer que a Playboy não é só mulher pelada. Lá tem muitas matérias bem escritas, jornalistas sérios e ótimas entrevistas. Eu também leio Playboy por causa das entrevistas.
Os anos passaram e o adolescente virou profissional e acabou encontrando com freqüência as coelhinhas e musas que enchem nossos olhos. Apesar da primeira decepção, os outros encontros foram muito interessantes porque a mulher nua impressa no papel virou entrevistada como a Ellen Roche. Uma simpatia de pessoa e incrivelmente linda.
Bom, "deixando de lado os entretantos e partindo para os finalmentes" (O Bem Amado - Dias Gomes) estou escrevendo este texto para dizer que a revista Playboy da minha colega de RedeTV, Monica Apor, chega as bancas. Ela é linda, simpática, talentosa e tenho certeza que vai agradar nas páginas da revista.
Recentemente estive gravando um ensaio fotográfico que ela realizou para a revista Cult. Um ensaio bem interessante, cheio de água, espuma e muita sensualidade. Vale a pena postar o vídeo novamente.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

COMEÇO, MEIO E FIM

Tudo tem começo, meio e fim. Nós somos assim, nossas jornadas são assim, vivemos dentro desta três coisas começar, realizar e concluir. É muito bom quando essas três parte são realizadas com sucesso e alegria, nada mais triste do que fazer algo que não goste ou concluir algo de um jeito equivocado.
Muitas dessas coisas demoram pra acontecer, anos, décadas como um trabalho, um estudo um casamento. Outras levam minutos, segundos como um beijo, uma troca de olhares. Enfim, estou falando sobre essa questão por vários motivos. Recentemente encerrei uma jornada profissional, que foi até longa e num piscar de olhos outra se inicia e outras tantas estão em percurso.
Em alguns momentos chego a pensar que sou vários, estou dividido em locais, em trabalhos em vida pessoal, em sonhos... A unidade está sempre fracionada e as frações juntas formam o inteiro. Apesar de tudo ser uma coisa só, as vezes me sinto fração, as vezes me sinto inteiro. Mesmo me sentindo inteiro sempre estou na busca de uma fração que acho que falta, de um pedaço que pode complementar. Nunca o todo está completo e sempre é possível fazer mais.
Meu Deus, que viagem para uma segunda-feira pela manhã antes de sair para um gravação. É isso, a Copa que demorava para começar já nos eliminou e acaba essa semana. As eleições que eram apenas prognósticos estão batendo na porta.
E assim vamos caminhando, fracionando nossos dias em começo, meio e fim, fracionando nossos anos em começo, meio e fim, fracionando nossa vida em começo, meio e fim...

sábado, 3 de julho de 2010

NO VÃO LIVRE

Na última quinta-feira tive algumas gravações no período da tarde, até então nada que fugisse do habitual e da mais completa normalidade. Entre uma gravação e outra, sobrou um pequeno espaço de tempo, que aproveitei para descansar em um lugar muito famoso da cidade, mas que nunca tinha ficado muito tempo por lá só observando, o vão livre do MASP.
Fique lá por alguns minutos observando as pessoas e achei muito interessante a quantidade de pessoas dos mais diferentes tipos e idades. Sentei bem na parte central, de frente o imponente museu e sua arquitetura moderna e ousada, nas costas a visão incrível da cidade.
Enquanto aguardava fiquei ali ouvindo histórias e reparando nas pessoas que me cercavam. Bem ao meu lado direito tinham dois casais homossexuais. Duas moças trocavam carinhos e palavras de afeto no pé do ouvido e dois rapazes conversavam sobre trabalho entre um beijo e outro.
Já do meu lado esquerdo havia um grupo de adolescentes, com suas máquinas fotográficas sedentas por momentos e um violão que insistia em tocar seguidamente Legião Urbana. Um pouco mais distante chegava um grupo com uns 15 turistas de Curitiba, o guia que acompanhava a visita explicava sobre o local, o museu e o vão livre. Achei estranho ele falar que naquele local havia morrido o irmão do Marcos Mion como se fosse um fato turístico do vão livre.
Duas pessoas me chamaram a atenção, o primeiro era um morador de rua que visivelmente estava com transtornos mentais. Ele andava seguidamente de um canto para o outro sem levantar a cabeça e fazer qualquer comentário, não estava incomodando ninguem, apenas andava.
A outra pessoa era uma mulher, com uns 35 anos, bem vestida e que ficava puxando papo com as todos que estavam por ali. No começo achei que fosse alguma mulher muito comunicativa, mas ficou evidente depois que ela também devia ter algum transtorno. Ela se aproximou dos rapazes que estavam perto de mim e começou a conversar com eles como se fossem amigos de muito tempo. Depois foi até outras pessoas e ficou assim até eu ir embora.
Enquanto isso chegava uma equipe de TV para gravar um trecho de uma reportagem e praticamente ao mesmo tempo um grupo de estudantes fazia fotos de um modelo.
Nesse curto espaço de tempo que fiquei lá parecia que o mundo ao meu redor tinha sumido e para aquelas pessoas também. O nome de "vão livre" nunca se encaixou tão bem como naquele momento. Parecia um "vão" no tempo e no espaço, um lugar onde diferentes pessoas estão, fazendo coisas diversas, com objetivos variados e ao mesmo tempo compartilhando um do espaço do outro.
Aproveitei e tirei umas fotos por lá, mas obviamente não fiz imagens das pessoas que compartilhavam deste vão livre em meio a loucura da cidade grande.




quinta-feira, 1 de julho de 2010

EU AINDA QUERO CONHECER

Sinto que esta postagem vai virar uma série "Eu ainda quero conhecer". Vi há alguns dias os pilotos da McLaren Jenson Button e Lewis Hamilton visitando o acervo de carros da equipe inglesa.
Sempre fui fã de Fórmula 1 e automobilismo. Confesso que fico babando diante desses carros sensacionais e a McLaren é uma equipe que sempre gostei, muito pelo fato do Ayrton Senna ter vencido os títulos dele lá.
Esse acervo de carros da McLaren é fantástico e os dois pilotos ficam falando sobre os carros e sobre Senna. Eles resolveram "desembrulhar" o MP4/4, que na minha opinião é um dos melhores carros de fórmula 1 já feitos até hoje, tanto que venceu 15 de 16 corridas da temporada de 1988 e foi campeão nas mãos de Senna.
Tem muita história arquivada ali naquele lugar, os originais que nos deram boas lembranças, que nos fizeram torcer em muito domingos. Muito interessante essa "série" de vídeos feito por um patrocinador da equipe.
Um outro vídeo bem legal mostra Hamilton e Button tentando montar um carro de fórmula 1 sozinhos, sem ajuda de ninguem da equipe. Mas o que segue é um desses lugares que eu adoraria conhecer e mais, gravar uma videorreportagem por lá.

O Mural está aqui

Prêmios

Contadores

free counters

Visitantes

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO